Inteligência Artificial, chat GPT e mineração

20/06/2023
A Inteligencia Artificial é uma ameaça é uma ameaça ao futuro do trabalho humano e aos empregos?

Por: Paulo Castellari Porchia

 

Quando estou em momentos de descontração com amigos ou reuniões familiares e surge o assunto do tão falado ‘Chat GPT’, consistentemente vejo que os receios são os mesmos: o futuro do trabalho humano e os empregos que vão deixar de existir. Especialmente entre os de gerações mais antigas, a discussão vem sempre acompanhada de falas como “Ainda bem que não estou mais no mercado de trabalho” ou “Vocês, jovens, não terão empregos no futuro”.

Para mim, o mais curioso é que essa preocupação vem, majoritariamente, de pessoas que não utilizam essas tecnologias. Uma pesquisa da BCG (disponível no link) levantou os top cinco sentimentos das pessoas relacionados à Inteligência Artificial no trabalho em 2023 e os resultados mostraram exatamente isso – o medo do desconhecido: 62% das pessoas que usam AI regularmente colocaram ‘otimismo’ como um dos principais sentimentos, enquanto 42% dos que não utilizam colocaram ‘preocupação’. Então como podemos utilizar essas tecnologias no nosso dia a dia, para que possamos transformar esses receios em doses de otimismo?

Recentemente, li também uma análise da Accenture (disponível no link) que decompôs um trabalho de atendimento ao cliente em 13 funções. O estudo mostra que, das 13 tarefas mapeadas, quatro continuariam a ser totalmente executadas por humanos; quatro seriam completamente automatizadas (como coletar informações do motivo pelo qual o cliente está contatando a empresa) e cinco poderiam se beneficiar da Inteligência Artificial para aumentar a eficiência do trabalho humano.

Isso me fez refletir sobre o meu trabalho: Quais são as minhas ‘cinco tarefas’ que podem ganhar eficiência com a aplicação mais abrangente de Inteligência Artificial? E na indústria mineral como um todo? Se o chat GPT é uma ferramenta para melhorar a maneira como trabalhamos e poupar tempo, nosso recurso mais escasso, então por que temê-lo?

Quando falamos do setor mineral, os avanços tecnológicos comparados há 30 anos, quando ingressei na indústria, são evidentes. Começando pelo sistema de despacho computadorizado, que, a meu ver, é uma das ferramentas que mais gera valor para uma mina. Esses sistemas são essenciais para cumprir a DMT (Distância Média de Transporte) planejada e garantir a aderência à geometria e aos teores. Isso maximiza a produtividade da mina, minimizando o número de caminhões necessários e reduzindo a ociosidade dos equipamentos. Esse trabalho também é peça fundamental para garantir a continuidade das operações de forma segura e responsável.

E os avanços não param por aí: já vemos também plantas de beneficiamento de minerais automatizadas e monitoradas remotamente, softwares que sinalizam a necessidade de manutenção, caminhões autônomos, assistentes virtuais, radares de geotecnia e salas de controle que conseguem ver com precisão os motoristas e operadores de equipamentos da mina. 

Os benefícios são inúmeros. A automação da planta pode gerar ganhos de produção e redução de consumo de energia elétrica. A tecnologia utilizada nos caminhões autônomos permite que o veículo mantenha a trajetória definida, controle a velocidade e desvie de obstáculos, diminuindo a chance de erro humano e aumentando a segurança das operações. Os radares de geotecnia podem trazer ganhos de escala ao negócio, uma vez que são monitorados por salas de controle conjuntas com outras empresas do setor.

Todas essas tecnologias ainda precisam da inteligência humana por trás, então posso garantir que os empregos não vão acabar. Os sistemas de despacho que citei anteriormente, por exemplo, por mais automatizados que sejam ainda demandam a nossa mão de obra para interpretar os dados e fazer intervenções fundamentadas e precisas para obtermos os ganhos operacionais esperados. Portanto, só precisaremos nos adaptar para as novas necessidades e utilizar a IA ao nosso favor para todo mundo sair ganhando. Com ganhos de produção, redução de custos e, acima de tudo, aumento de segurança operacional (o mais importante para nós), a Inteligência Artificial definitivamente vai mudar – para melhor – o nosso setor!  

Penso sempre em alguns dos meus chefes do passado, que questionavam a real utilidade de ferramentas como ‘workflow’ para aprovações, processos de monitoramento de tarefas, gerenciamento de projetos remotos – todos conceitos que hoje são tão comuns que já se tornaram parte da nossa rotina. Utilizamos essas ferramentas e conseguimos melhorar a eficiência dos nossos negócios, elevar o conhecimento que temos dos nossos depósitos minerais e, assim, hoje temos melhores condições de otimizar nossos processos ao longo da cadeia produtiva.

E você? Já parou para refletir quais são as SUAS cinco tarefas que podem se beneficiar da Inteligência Artificial? O futuro é agora!

 

Direto da Fonte