19/07/2018
COPEBRÁS

Energias limpas usadas nas operações

A CMOC Brasil utiliza na Copebrás fontes alternativas de energia a partir do vapor e da biomassa de florestas plantadas. A iniciativa da companhia impactou positivamente suas operações e fez com que reduzisse as emissões de gases do efeito estufa. “As fábricas de granulação de fertilizantes fosfatados e a unidade de secagem do concentrado fosfático, instaladas em Catalão (GO), utilizam a queima de biomassa para secagem dos produtos”, afirma Raphael Koch Turri, gerente de Licenciamento Ambiental, Meio Ambiente, Direito Minerário e Terras da CMOC. No último ano, a CMOC Brasil consumiu 175 mil m3 de cavaco, pequenos pedaços de madeira obtidos da picagem de toras de eucalipto.
 
A madeira utilizada pela CMOC é oriunda de florestas plantadas pela empresa e distribuídas nos municípios de Ouvidor, Três Ranchos e Catalão. Ao todo, são 3.000 hectares de área plantada, que correspondem a 3,6 milhões de árvores. A área de reflorestamento segue as melhores práticas de manejo do solo e cerca de 45% dela foi plantada em parceria com produtores rurais da região, fortalecendo a economia local. 
 
As florestas de eucaliptos sequestram, o carbono da atmosfera durante a fase de crescimento, e, desta forma, tornam-se neutras em carbono quando transformadas em cavaco. “A utilização da biomassa, uma fonte de energia renovável, implica na redução do consumo de combustíveis fósseis não renováveis. A quantidade de cavaco utilizada no último ano, por exemplo, corresponde a cerca de 51,4 mil m3 de diesel ou a cerca de 48,6 milhões de m3 de gás natural poupados”, completa Turri. Segundo ele, está em fase final de instalação um projeto de substituição do consumo de óleo combustível por gás natural, fonte energética mais limpa, na fornalha da planta de produção de Fosfato Bicálcico (DCP), um suplemento para a alimentação animal.
 
Além da biomassa do eucalipto, a CMOC Brasil tem na Copebrás também um processo de cogeração de energia, a partir da energia térmica resultante da geração de vapor. Implantado em 2002, o projeto reaproveita a corrente de gás produzida durante a queima de enxofre, no procedimento de obtenção do ácido sulfúrico. A energia contida nessa corrente é absorvida em uma caldeira, gerando vapor de alta pressão, que alimenta o sistema de turbo-gerador, movimentando uma turbina em altíssima velocidade. Assim, a energia cinética é transformada em energia elétrica e utilizada na própria empresa.
 
Com a medida, a CMOC reduz a compra de energia elétrica em aproximadamente R$2,2 milhões mensais. Atualmente, 35% da energia elétrica utilizada nas operações da Copebras em Catalão (GO) e Ouvidor (GO) é gerada internamente. Além da economia financeira, os 76.733 MWh gerados internamente em 2017 evitaram a emissão de 8.500 toneladas de CO2 equivalentes, unidade universal para estimativa de emissões de gases do efeito estufa.

Veja também

13/11/2019
SUSTENTABILIDADE | Programa da FLSmidth para cimento e mineração
07/11/2019
COPROCESSAMENTO | Na PB, Óleo da praia vira combustível
07/11/2019
CARVÃO VEGETAL | Projetos para reduzir finos
04/09/2019
REFRATÁRIOS | RHI Magnesita recicla mais de 17 mil t
12/06/2019
SUSTENTABILIDADE | Rodovia a partir das cinzas de carvão
12/06/2019
MINERAÇÃO SUSTENTÁVEL | 4ª Conferência Brasil-Alemanha em MG
05/06/2019
CMOC BRASIL | Anunciado novo diretor executivo
15/05/2019
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA | AngloGold Ashanti apoia startup
02/05/2019
MINERAÇÂO SUSTENTÁVEL | World Bank lança o Climate-Smart Mining