30/10/2020
REJEITOS

Vale implanta gestão conforme prevê ICMM

A Vale informa que o novo Sistema de Gestão de Rejeitos está em implantação, em conformidade com o padrão do ICMM, lançado em agosto de 2020, já está em implantação. A avaliação inicial da empresa indica um nível de aderência às recomendações do ICMM perto de 60%, e a companhia espera estar em total conformidade até 2021. Já na Gestão de Riscos, o programa de identificação e tratamento de riscos, HIRA, continua em expansão, e 59 unidades operacionais já foram avaliadas desde 2019, sendo 42 delas apenas em 2020. Até o final do ano, outras 12 unidades operacionais serão avaliadas. A metodologia do HIRA também foi adaptada para avaliar os projetos da Vale – Um projeto-piloto foi concluído em julho, enquanto outros três serão avaliados ainda em 2020. A metodologia também tem sido aplicada em barragens, com pilotos em andamento para duas estruturas em Sudbury e Long Harbour. A Vale espera ter todo seu portfólio de barragens avaliados pelo HIRA até o final de 2022. 

O Engenheiro do Registro já está implementado em 100% das barragens que atendem o negócio de Minerais Ferrosos no Brasil – o que significa 93 barragens, diques e empilhamentos drenados. O plano de descaracterização de barragens evoluiu e compreende um total de 29 estruturas geotécnicas, conforme divulgado em setembro de 2020. A descaracterização da barragem Fernandinho está prevista para ser concluída nos próximos meses. Os trabalhos relacionados à barragem Pondes de Rejeitos foram concluídos em setembro, pendente a avaliação da descaracterização pela Agência Nacional de Mineração. 

A barragem back-up das estruturas Forquilhas e Grupo teve a fase 1 concluída em setembro de 2020, alcançando a cota 949, ou uma altura de 77 metros. A fase 2 será concluída no segundo trimestre de 2021, com altura total de 93 metros. A descaracterização da barragem Sul Superior teve obras de infraestruuturas iniciadas no 3T20, com a preparação para o início da retirada de rejeitos. 

Sustentabilidade 

A Vale assinou um acordo não vinculativo com a Kobe Steel e a Mitsui para estabelecer uma nova empresa para fornecer produtos metálicos de baixo CO2 para o mercado global e novas soluções para os seus clientes. Além disso, dentro do programa PowerShift, para substituir as fontes de energia por fontes limpas, a companhia desenvolveu, em parceria com a Progress Rail, uma nova locomotiva de pátio de manobra 100% elétrica, movida a bateria que se encontra em fase de teste de comissionamento. O equipamento também reduz a emissão de ruídos, o que mitiga impactos nas comunidades próximas às operações. A Vale também está instalando, no Terminal Portuário da Ilha Guaíba, com previsão de conclusão para dezembro de 2020 e de operação para 1T21, um dos maiores sistemas de armazenamento de energia com baterias de íon-lítio do país para suprir a demanda elétrica como estratégia de substituição dos combustíveis fósseis.