Resíduo de mármore para produzir pelotas

09/06/2022
Desde 2020 a empresa realiza estudo para utilizar esses resíduos em complementação ao calcário, no Complexo de Ubu, no Espírito Santo.

A Samarco poderá utilizar resíduos da lavra de mármore na produção de pelotas de minério de ferro. Desde 2020 a empresa realiza estudo para utilizar esses resíduos em complementação ao calcário e desde então a mineradora já realizou vários testes com resultados positivos para utilização do subproduto de mármore como alternativa ao calcário como fundente e corretor de basicidade nas pelotas. As conclusões das análises mostraram a viabilidade do projeto. No teste industrial, o resíduo de mármore apresentou resultados que atendem aos índices de qualidade monitorados. “Dentre os benefícios estão os impactos positivos na qualidade da pelota e a redução da emissão de dióxido de carbono e do consumo de combustível”, disse a engenheira de processo Ana Maria Bailon. 

Ela destaca ainda a redução do impacto ambiental da produção de rochas ornamentais nas comunidades do entorno e, ao mesmo tempo, a transformação dos resíduos do processo em um insumo 100% sustentável para a pelotização. O Espírito Santo responde por cerca de 80% da produção de rochas ornamentais e o Brasil é quarto maior do mundo. A Samarco estudou alternativas para utilizar o resíduo desse setor, já que apenas 20%, em média, da produção é empregada como produto final. “Esse coproduto gerado é química e fisicamente semelhante ao calcário consumido em uma de nossas usinas do Complexo de UBU (ES), atualmente em torno de 400 toneladas/dia”, pontuou o coordenador de engenharia de processo da Samarco, Felipe Morato. 

Idealizador do estudo sobre o uso de resíduos de rochas ornamentais na produção de pelotas. O diretor de Planejamento e Operações, Sérgio Mileipe, propôs o desafio para a equipe em 2018. “Estamos inovando em uma prática que consiste na utilização de um insumo na produção de pelotas, que irá contribuir significativamente para redução do volume de resíduos. A iniciativa faz parte do nosso novo jeito de fazer mineração, com atenção voltada para sustentabilidade. Esse projeto é uma oportunidade para praticarmos o nosso propósito de fazer uma mineração diferente, mais segura e sustentável, que gere resultados, mas que acima de tudo preserve o meio ambiente”, ressaltou. 

Em março de 2022, a Samarco lançou o Movimento pela Inovação para reforçar a mobilização da empresa e avançar em seu propósito de fazer uma mineração diferente, mais sustentável e segura. O movimento é um marco para a evolução cultural, tendo em vista que a inovação é um dos traços culturais a serem desenvolvidos, sendo necessária para garantir a perenidade da empresa.

Tags