Biocombustível reduz emissões no transporte

17/03/2022
A Anglo American utilizou uma mistura composta de VLSFO com 10% de biocombustível de segunda geração proveniente de óleo de cozinha usado.

A Anglo American concluiu com sucesso um teste no mar usando biocombustível misturado com óleo combustível com muito baixo teor de enxofre (VLSFO), reduzindo as emissões de carbono em aproximadamente 10%. O teste demonstra ainda o potencial do biocombustível sustentável ser usado como combustível “drop-in”, melhorando sua viabilidade para ajudar a reduzir as emissões no setor de transporte. O combustível foi misturado e abastecido em Cingapura, marcando um passo importante no estabelecimento de uma cadeia de suprimentos local e uma oferta de biocombustível de baixo carbono e econômica para a região.

Peter Whitcutt, CEO do negócio de Marketing da Anglo American, afirmou: “conectar nossos clientes com os metais e minerais que eles precisam de uma forma segura, eficiente e sustentável é uma prioridade fundamental para nós. No ano passado, delineamos nossa ambição de frete marítimo controlado e neutro em carbono – uma extensão natural de nosso compromisso de descarbonizar nossas operações de mineração até 2040. Este teste faz parte desses esforços e nos ajudará a reduzir as emissões em toda a nossa cadeia de valor”.

A Anglo American utilizou uma mistura composta de VLSFO – o combustível marítimo convencional mais utilizado na indústria – misturado com 10% de biocombustível de segunda geração proveniente de óleo de cozinha usado. O uso da mistura resultou em uma redução de aproximadamente 10% nas emissões de carbono em comparação com o uso de 100% VLSFO. Um equivalente funcional aos combustíveis líquidos existentes, esta mistura é compatível com os motores de embarcações existentes e não requer modificação de infraestrutura.

O teste foi realizado a bordo do navio graneleiro Capesize Friendship, de propriedade da Seanergy Maritime, fretado pela empresa de navegação japonesa NYK Line e fretado pela Anglo American. A mistura de biocombustível, fornecida pela TotalEnergies Marine Fuels, foi usada para abastecer 50% de uma viagem de ida e volta de Cingapura à Baía de Saldanha, na África do Sul, onde foi feito um carregamento de minério de ferro da Anglo American.

O componente de biocombustível da mistura atendeu aos requisitos de especificação do sistema International Sustainability and Carbon Certification (ISCC), um padrão líder do setor que abrange todos os materiais de base biológica.

Ao aumentar a porcentagem de biocombustível em testes futuros, a Anglo American pretende buscar mais reduções de emissões de CO2 como parte de uma estrutura de descarbonização mais ampla para sua frota fretada.