O Mundo dos Minerais Industriais

 

Apesar de sua importância em nosso dia-a-dia (pois estão presentes em quase tudo que usamos ou consumimos) os minerais industriais não são muito conhecidos da maioria da população e até mesmo entre aqueles que atuam no setor mineral. Se for perguntado a alguém o que é agalmatolito, caulim, feldspato, nefelina-sienito, vermiculita, wollastonita, atapulgita e alguns outros nomes que soam estranhos, com certeza as respostas serão as mais disparatadas possíveis. Se indagarmos para que servem, então, os disparates continuam. Haverá quem pense que vermiculita é remédio pra verme, que atapulgita é um tipo de mata-pulgas e por aí afora.

Pouca gente sabe que centenas de empresas e milhares de pessoas dedicam-se cotidianamente a extrair da natureza, utilizando-se das mais variadas tecnologias, esses bens minerais que vão alimentar as indústrias dos vários segmentos e contribuir para melhorar a vida das pessoas. 

Com o propósito de suprir essa lacuna, Brasil Mineral está lançando a seção “O Mundo dos Minerais Industriais”, sob a coordenação do conselheiro Renato Ciminelli, um especialista no assunto, que vai abordar, ao longo dos próximos meses, todos os aspectos desse universo relacionado com os minerais industriais. A Seção “O Mundo dos Minerais Industriais”, ao longo de suas inúmeras matérias que estão por vir, estará buscando sempre temas de interesse atual para os leitores e terá um escopo diversificado que reflita as multidimensões e multiqualificações, a serem contempladas e analisadas em próximas edições, e que caracterizam o perfil dessa categoria mineral. (Os Editores) 

 

Minerais Industriais – A Retomada
Por Renato Ciminelli *

Com o título “Minerais Industriais – A Retomada” esta primeira matéria marca o lançamento da Seção O Mundo dos Minerais Industriais nos canais da Brasil Mineral

Escolhemos A Retomada como uma abordagem que irá incorporar ao texto vários significados que se articulam entre si. A Retomada como fio condutor estará buscando o resgate de movimentos importantes em décadas anteriores de valorização dos minerais industriais brasileiros, ciclos de viabilização de novos depósitos, de inovações tecnológicas, de conquistas de novos mercados e aplicações no Brasil e exterior. A Retomada estará discutindo também as descontinuidades e perdas de competitividade do segmento impactadas pela pandemia Covid-19. A Retomada representa também o potencial desse setor como gerador de renda e trabalho pós pandemia. A Retomada renova uma agenda que vislumbrava importantes e inúmeras oportunidades de novos negócios e o Brasil com uma liderança mundial nesse segmento. 


Talco lamelar em rocha clorítica da região do Serro

Estamos todos vivenciando uma era de grandes transformações aceleradas pela Covid-19. No contexto das Retomadas, que intitula o escopo desta matéria, o autor estará provocando os leitores com temas/escalas de oportunidades de negócios, mercados e investimentos eventualmente entendidos como menos convencionais. 

Selecionamos, inicialmente, 10 oportunidades para um primeiro mergulho dos leitores:

  1. Rochas, minerais e morfologias de aplicação e desempenho específicos pouco conhecidos. Os produtos derivados de agalmatolito, fornecidos principalmente de depósitos em Minas Gerais, são exemplos típicos. 
  2. Misturas de produtos minerais e espécies mineralógicas diferentes em formulações de alto desempenho para aplicações inovadoras.
  3. Resíduos não metálicos, de toda natureza, processados e purificados, derivados de operações industriais minerais, metalúrgicas, químicas, cerâmicas, embalagens, materiais reciclados, catalizadores, circuitos de economia circular, desmontes e escórias, entre inúmeros outros casos.
  4. Minerais verdes
  5. Fornecimento satélite de minerais
  6. Formulações de minerais com garantia de desempenho em aplicações especiais. Exemplo do caulim calcinado para adesivos, borrachas, plásticos, entre inúmeras outras aplicações.
  7. Minerais modificados quimicamente, tendo as argilas como exemplo mais clássico.
  8. Minerais cerâmicos de alto desempenho, seja para alta escala ou nichos de mercado e aplicações artísticas.
  9. Morfologias de alto desempenho tendo a wollastonita, fibras minerais e cerâmicas como exemplos típicos.
  10. Minerais de engenharia através de reduções e classificações granulométricas exclusivas.


Depósito de caulim

Em se tratando de minerais industriais, quanto mais competente a gestão operacional, logística, técnica e mercadológica dos sistemas mineral – aplicação, melhor o desempenho dos negócios, pois cada sistema tem sua peculiaridade e complexidade próprias.  Cada sistema mineral–aplicação tem sua combinação própria de parâmetros operacionais, logísticos, técnicos e mercadológicos, entre outros. A cultura e os modelos de gestão e de negócios para as commodities metálicas tendem a não ser aplicáveis aos minerais industriais. A tabela a seguir é uma forma de exemplificação desses vários sistemas. Outros formatos serão introduzidos em outros momentos desta Seção. 

Um exercício interessante é escolhermos um desses grupos da tabela para identificar perfis que melhor os identifiquem e os caracterizem no planejamento e estratégias de investimento e gestão. Vejamos, por exemplo, os chamados Minerais Funcionais. Alguns dos minerais que compõem esse grupo são agalmatolito, barita, bentonita, caulim, talco, vermiculita, amianto, atapulgita, carbonatos de cálcio, argilas funcionalizadas, diatomita, mica, perlita, sílicas especiais, wollastonita, caulim calcinado. Os negócios nesse grupo têm perfis muito próprios e exclusivos: são intensivos em marketing e suporte técnico,  os produtos têm alto grau de diversificação de mercado e diferenciação de desempenho, habilidades complementares exigidas são know-how de uso final e engenharia de processo. 

A proposta nas próximas colunas é entramos na intimidade dos minerais industriais, das oportunidades e desafios. Não perca nenhum dos episódios. 


* Renato Ciminelli é Engenheiro Químico e membro do conselho da Brasil Mineral