Lucro de US$ 49 milhões e avanço de projetos

10/05/2022
Em Aranzazu, as receitas atingiram US$ 55,472 milhões no primeiro trimestre de 2022, um aumento de 53% em relação ao mesmo período de 2021.

O CEO da Aura Minerals Inc, Rodrigo Barbosa comentou que a companhia continuou a avançar no primeiro trimestre de 2022 e a produção esteve em linha com as expectativas da administração. O Ebitda ajustado somou US$ 49 milhões, 7% inferior ao mesmo trimestre o último ano, e a posição de caixa atingiu US$ 194 milhões. “Ainda, o projeto Almas está avançando conforme budget e dentro do cronograma, e a administração tem conseguido mitigar as pressões de inflação em todas as operações. No Projeto de ouro de Matupá, novos resultados das perfurações, que interceptaram 3,84 g/ton de ouro por 80 metros, abrem novas perspectivas para o projeto”, disse Barbosa.

A Aura registrou produção consolidada de 61.041 onças equivalentes de ouro durante o primeiro trimestre de 2022, sendo que a produção robusta ocorreu na Mina Aranzazu e a menor produção nas minas EPP e San Andres da Companhia, devido ao sequenciamento e preparação para uma maior produção nos próximos trimestres. A Aura mantém sua orientação de produção entre 260.000 e 290.000 GEO durante 2022. 

As receitas atingiram US$ 112,276 milhões no primeiro trimestre de 2022, uma redução de 3% em relação ao mesmo período de 2021 e queda de 3% em relação ao quarto trimestre de 2021; redução de estoque de produtos acabados durante o primeiro trimestre de 2022. 

Em Aranzazu, as receitas de ouro e cobre atingiram US$ 55,472 milhões no primeiro trimestre de 2022, um aumento de 31% em comparação com o quarto trimestre de 2021 e um aumento de 53% em relação ao mesmo período de 2021, enquanto as margens brutas atingiram US$ 49,680 milhões, queda de 3% em comparação com o mesmo período de 2021 e 10% a menos em relação ao quarto trimestre de 2021, quando a Aura registrou sua maior produção e margens brutas na história da Companhia.  A Aura aumentou a produção em 32% e alcançou uma produção anual recorde. Em 2022, esperava-se um começo mais fraco em razão da empresa entrar com teores mais baixos em EPP e San Andres combinados com preparação de cava para alcançar uma maior produção durante o segundo semestre de 2022. 

Em relação aos projetos em desenvolvimento, Almas avança dentro do cronograma e cerca de 30% está concluído e 57% do orçamento em serviços e equipamentos foram negociados, mitigando o risco de possíveis derrapagens de custos, apesar da alta inflação. Durante o primeiro trimestre, a Aura entrou em um programa de hedge de ouro como parte de seu risco programa de gestão relacionado ao Projeto Almas. A Companhia entrou em uma opção de compra/venda de custo zero em um total de 80.140 onças, com preços mínimos médios de US$ 1.602 (acima dos preços do Estudo de Viabilidade de US$ 1.558) e preços máximos médios de US$ 2.417 por onça de ouro, com vencimento entre julho de 2023 e junho de 2025. O programa visa cobrir cerca de 80% da produção projetada nos dois primeiros anos de produção da mina visando garantir o período de retorno de dois anos previsto para o projeto. 

Já o projeto Matupá relatou, em 13 de abril, interseções significativas de perfuração na Área de Serrinhas, que confirmaram e delinearam a zona de mineralização MP2 e podem se estender à zona MP1 mais adiante.

Sobre as iniciativas ESG, a Aura anunciou durante o primeiro trimestre de 2022 o compromisso da empresa com uma taxa de 5% redução das emissões absolutas de suas unidades operacionais atuais até 2023 (a partir da linha de base estabelecida no inventário de emissões de gases de efeito estufa de 2020). Este objetivo é baseado na implementação da eficiência operacional de projetos para operações de carga e transporte, bem como a transição tecnológica da eletrificação da frota leve e é consistente com a cultura de mineração Aura 360°. Em abril, a Aura firmou acordo para adquirir a Big River Gold Limited e formar uma JV com a Dundee Resources Limited, na qual

espera-se que a Aura detenha indiretamente 80% das ações da Big River e a Dundee Resources os 20% restantes. A Big River é proprietária do projeto de ouro Borborema (RN), uma mina de ouro a céu aberto. A estimativa é de Recurso Mineral de 1,87 Moz Au a 1,14 g/t Au e um Recurso Mineral Inferido adicional de 0,57 Moz a Au a 1,0 g/t Au. A transação está sujeita a certas condições precedentes, incluindo a aprovação dos acionistas da Big River e o fechamento da transação previsto para o final de julho ou início de agosto de 2022.

Tags