18/05/2017
LOGÍSTICA

Vale inaugura CLN na África

O diretor-presidente da Vale, Murilo Ferreira, e representantes dos governos de Moçambique, Malawi, Brasil e Japão, inauguraram o Corredor Logístico de Nacala (CLN). O projeto faz parte dos compromissos entre o governo de Moçambique, o governo do Malawi, a Vale e a Mitsui para o desenvolvimento socioeconômico da região. 
 
O Corredor de Nacala é um investimento feito pela Vale e pela empresa pública Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM) para a construção e reabilitação de uma linha férrea de 912 km ligando a Mina de Carvão de Moatize, em Tete, ao Terminal marítimo de Nacala-à-Velha, na província de Nampula, cruzando a República do Malawi. O CLN engloba uma ferrovia e infraestrutura portuária, incluindo a reabilitação de ferrovias existentes em Moçambique e Malawi e um novo terminal portuário de carvão em Moçambique. O terminal conta com um pátio para estocagem de aproximadamente 1 milhão de toneladas de carvão e aproveita a baía profunda que existe ali para receber cerca de 150 navios de grande porte por ano. 
 
Iniciado em 2012, o projeto marca o maior volume de investimentos da Vale no exterior – US$ 4,4 bilhões – e poderá ampliar a produção de carvão para até 18 milhões de toneladas anuais, mais de três vezes a produção de 2016, de 5,5 milhões de toneladas, e quase seis vezes maior que a produção no primeiro ano integral de operações da mina de Moatize, em 2012, com 3,7 milhões de toneladas.
 
O CLN conta com uma frota de 85 locomotivas e 1962 vagões para transportar o carvão, equipados com a mais alta tecnologia do ramo ferroviário. A Vale está investindo na formação e capacitação de jovens locais. Mais de 1000 jovens se beneficiaram de formação técnica nos programas de Preparação para o Mercado de Trabalho (PPMT) e Programa de Formação Profissional (PFP), com formação em Moçambique e no exterior. Com uma força de trabalho de cerca de 2 mil colaboradores próprios, majoritariamente de nacionalidade moçambicana e malawiana, e mais de 1.400 contratados, o CLN já está transformando significativamente a empregabilidade da mão-de obra local e desempenhando um papel fundamental na melhoria da qualidade de vida das comunidades.