07/06/2017
OURO

Processo de análise mais preciso

A empresa sul-australiana Chrysos está desenvolvendo processo de análise de ouro até três vezes mais preciso que os métodos convencionais. O PhotonAssay usa máquinas de raios-x de alta potência para ativar o ouro em uma determinada amostra e medir o sinal que ele expõe para quantificar com rapidez e precisão a quantidade de ouro presente. O processo foi inventado pelo CSIRO e ajuda a reduzir o impacto ambiental do processamento de minerais, porque elimina a necessidade de produtos químicos tóxicos e de chumbo. 
 
A Chrysos está configurando sua primeira unidade de produção na Austrália Ocidental em parceria com a Ausdrill e a MinAnalytical. A empresa pretende ter um modelo on-site menor disponível em 2018 para apoiar melhor as campanhas de exploração no campo e facilitar a exportação de sua tecnologia. 
 
Durante o procedimento do PhotonAssay, uma amostra é colocada em uma jarra que pesa cerca de meio quilograma. A jarra é então colocada em uma correia transportadora dentro da máquina de análise da Chrysos, onde os raios-x determinam a quantidade de ouro na amostra. 
 
Uma série de testes realizados por pesquisadores do CSIRO no Canadá demonstraram o desempenho da tecnologia. Os resultados mostraram que o PhotonAssay poderá medir amostras com níveis de ouro tão baixos quanto 30 partes por bilhão. O nível de precisão depende da quantidade de ouro em cada amostra. 
 
Segundo a empresa Ausdrill, um dos principais benefícios do PhotonAssay foi o seu reduzido impacto ambiental, porque eliminou a necessidade de produtos químicos perigosos e chumbo, que são utilizados em outras tecnologias concorrentes. Ausdrill planeja configurar sua primeira unidade em Perth, que está prevista para funcionar em dezembro. Uma segunda unidade de site de mina está planejada para Kalgoorlie, a cerca de 600 km a leste de Perth, na Austrália Ocidental, até meados do ano que vem. A partir daí, a empresa planeja exportar a tecnologia e outros projetos para a África. 

Veja também