02/12/2015
MINÉRIO DE FERRO

CSN e asiáticos criam a Congonhas Minérios

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) concluiu formação estratégica com os sócios asiáticos Itochu Corporation, JFE Steel Corporation, POSCO Ltd., Kobe Steel Ltd., Nisshin Steel Co, Ltd. e China Steel Corp. para a criação da nova empresa Congonhas Minérios S.A.

A nova empresa reunirá os ativos da Namisa - minas e respectivos ativos de Casa de Pedra, Engenho e Pires, direitos de operar o terminal portuário Tecar em Itaguaí (RJ) e 18,63% de ações da MRS Logística S.A. (MRS). Com capacidade de produção de 60 milhões de toneladas anuais de minério de ferro, a Congonhas nasce avaliada em US$ 16 bilhões (R$ 62,2 bilhões). A CSN terá participação de 87,52%, enquanto os sócios asiáticos ficaram com os 12,48% restantes. Foram realizados ajustes de dívida, caixa, capital de giro, e outros, que incluíram a alocação, pela CSN, de dívida no valor de US$ 850 milhões para a Congonhas Minérios. A transação também inclui mecanismo de earn-out, pelo qual, no caso de um evento de liquidez qualificado que ocorra dentro de determinados parâmetros de valoração e dentro de um período de tempo acordado, a participação do Consórcio Asiático na Congonhas Minérios poderá ser diluída.

A Congonhas Minérios surge com o quarto menor custo de produção e reservas estimadas em 3 bilhões de toneladas de minério de ferro de alta qualidade. A empresa reforçará sua competitividade através de uma operação totalmente integrada de mineração, ferrovia e porto. Adicionalmente, a Congonhas Minérios se beneficiará de contratos de venda as commodity para membros do Consórcio Asiático e para a CSN através da assinatura de contratos de fornecimento de 40 anos. A transferência para a Congonhas Minérios da concessão para operar o terminal portuário do TECAR encontra-se em fase de aprovação final pelos órgãos reguladores competentes e será concluída imediatamente após a obtenção de referida aprovação.

Veja também