12/11/2020
CIMENTO

Vendas crescem 14,5% em outubro

Segundo números do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), as vendas internas de cimento somaram seis milhões de toneladas em outubro de 2020, um crescimento de 14,5% na comparação com o mesmo mês do último ano. No acumulado entre janeiro e outubro, as vendas alcançaram  50,5 milhões de toneladas, aumento de 10,1% comparado ao mesmo período de 2019. A continuidade das reformas, das obras e o aumento dos lançamentos imobiliários são as principais razões para a manutenção do bom desempenho e da confiança do empreendedor. 

"Acreditamos que o bom desempenho do setor deve continuar, mas a médio prazo ainda contamos com um horizonte de incertezas. O aumento das vendas de imóveis residenciais em patamares surpreendentes sustenta o desempenho do setor de cimento, mas impõe cautela para o futuro. É fundamental que haja geração de renda e emprego, a continuidade dos lançamentos imobiliários, a manutenção do ritmo das obras e da atividade econômica que manterão o fôlego do autoconstrutor e a confiança do empreendedor. Por outro lado, a infraestrutura continua sendo uma atividade de extrema importância para a indústria do cimento, mas ainda permanece com uma performance abaixo do necessário", disse Paulo Camillo Penna - Presidente do SNIC.  Apesar dos números positivos registrados nos últimos meses, o setor ainda sofre impactos da crise econômica entre 2015 e 2018, que ocasionou a perda de quase 30% da demanda, o fechamento de 20 fábricas e dezenas de fornos, provocando uma capacidade ociosa acima dos 45% e que ainda está longe de ser recuperada, configurando uma severa queima de capital. Além disso, o setor sofre com os custos de energia elétrica, câmbio, energia térmica e outros insumos, além de um enorme custo de capital investido. 

O mercado imobiliário brasileiro começou a se recuperar no final do primeiro semestre, com os imóveis destinados à população de baixa renda, o que inclui programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida e o recém-lançado Casa Verde e Amarela. Aproximadamente 75% dos imóveis vendidos foram destinados para ao segmento de menor poder aquisitivo. Segundo o setor de cimento, o principal entrave ainda é morosidade do ritmo das reformas - com ênfase para a tributária - que não vem tendo a dinâmica desejada e é fundamental para a simplificação e atração de investimentos em habitação, rodovias, portos, saneamento, entre outros tantos que são fundamentais para o desenvolvimento econômico do País.

Veja também