14/05/2020
DANOS AMBIENTAIS

Vale e Eletrobras excluídas de fundo

O fundo soberano da Noruega excluiu a Vale e a Eletrobras e a egípcia ElSewedy Electric de sua carteira de clientes, alegando que as companhias provocam danos ambientais. O fundo administra mais de US$ 1 trilhão e decidiu banir também algumas das maiores empresas de commodities do mundo, incluindo Glencore e Anglo American, devido à sua produção e uso de carvão.

O fundo vetou aportes na elétrica alemã RWE, na petroquímica sul-africana Sasol e na firma holandesa de energia AGL Energy, também devido ao uso de carvão. Os noruegueses mostram-se cada vez mais atentos ao que as empresas fazem em prol do clima mundial. 

O fundo sempre vende participações antes de anunciar exclusões, para evitar movimentos excessivos nos mercados. Outras companhias estão em observação caso não tratem a questão do uso do carvão. Entre elas, BHP, Uniper, Enel e Vistra Energy.

Criado em 1996, o fundo visa poupar para gerações futuras as receitas da Noruega com a produção de petróleo e gás. Ele está entre os maiores investidores do mundo e possui cerca de 1,5% de todas ações listadas globalmente. O fundo opera sob diretrizes éticas definidas pelo parlamento e exclui da carteira empresas que não as respeitam. 

O fundo norueguês afirmou que levou tempo para vender as ações de diversas das empresas excluídas devido à situação do mercado, incluindo a liquidez em algumas ações. O conselho de Ética do fundo recomenda a exclusão de empresas que não respeitem suas diretrizes quanto à ética. O conselho do banco central da Noruega então decide quando agir.