26/11/2020
QUILOMBOLAS

Titulação de terras a comunidade de Oriximiná

No dia 20 de novembro (Dia da Consciência Negra), a comunidade do Boa Vista Trombetas, em Oriximiná (PA), comemorou os 25 anos de titulação das terras quilombolas desta comunidade, pioneira na conquista desta luta. Na ocasião, 150 famílias das 300 da comunidade participaram de uma ampla programação, seguindo os protocolos de segurança para a saúde preventiva por conta da pandemia. "Fomos a primeira comunidade negra do Brasil a conquistar a titulação das terras. Tivemos muita dificuldade, mas conquistamos, praticando uma frase que usamos muito no quilombo: 'não desistir'. Então, seguimos na luta e conseguimos a vitória", relata Amarildo Santos de Jesus, coordenador geral da Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos de Boa Vista Trombetas (ACRQBV).

Amarildo lembra que, além da ACRQBV, outras instituições contribuíram para defesa da causa dos quilombolas, como a Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO), a Comissão Pró-Índio, o Ministério Público e a Mineração Rio do Norte (MRN) apoiaram o processo de titulação. "Tivemos apoio das comunidades, destas instituições e da MRN no processo", reforça Amarildo.

Para a Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO), a celebração marca uma conquista de grande representatividade, pois esse modelo de titulação de forma coletiva beneficia oito territórios quilombolas com 37 comunidades e aproximadamente 8.000 quilombolas. "Participamos desta luta com a ARQMO desde 1989, criada para defender este e outros direitos das comunidades quilombolas. Essa conquista pioneira serviu de modelo para outras comunidades do Brasil. Nestes 25 anos, também percebemos como se estabeleceu um respeito de territorialidade entre as comunidades tituladas", relata Claudinete Colé, coordenadora da ARQMO. 

Jéssica Naime, gerente de Relações Comunitárias da MRN, ressalta que o Dia da Consciência Negra na região ganha ainda mais relevância dada à presença de diversas comunidades remanescentes de quilombo na região oeste do Pará. “Neste ano, em especial, a pedido da ACRQBV, a MRN está financiando a reforma do barracão comunitário no território de Boa Vista em parceria com a comunidade, que realizará as obras na forma de mutirão. O barracão comunitário é o espaço do encontro, das festividades e das reuniões de organização da comunidade. Sua reforma pode ter também o sentido de renovação da organização comunitária e da sua unidade identitária como quilombolas", destaca.