04/12/2019
VALE

Projeção de produção e investimentos

Em evento realizado nesta segunda-feira, 2 de dezembro, em Nova York, Estados Unidos, a Vale atualizou suas projeções para 2019. A produção de minério de ferro deve ficar entre 340 e 355 milhões de toneladas em 2020, entre 375 e 395 milhões de toneladas em 2021 e alcançando, no biênio 2022/2023, 400 milhões de toneladas. 
 
Já a produção de cobre deve ser de 400 mil t no próximo ano, 430 mil t em 2021 e 460 a 480 mil t em 2022 e 2023, respectivamente. A produção de níquel chegou a 240mil t após melhorias nas operações do Atlântico Norte e retomada do 2º forno de Onça Puma. A produção pode atingir 360 milt, caso a Vale resolva realizar expansões em Sorowako, Bahodopi e Pomalaa, considerando 100% de participação na PTVI e parceiros de Bahodopi e Pomalaa. 
 
O total de investimentos da Vale nos anos de 2020 e 2021 deve ficar em US$ 5 bilhões por ano. Nos anos posteriores, a média de aportes ficará em torno de US$ 4,5 bilhões. Em relação a Brumadinho, a Vale alterou suas projeções de desembolsos. Em 2020, serão entre US$ 1,5 bilhão e US$ 2 bilhões, entre US$ 1,400 e US$ 1,9 bi em 2021 e entre US$ 750 mil e US$ 1,25 bi em 2022. Entre 2023 e 2031, a Vale terá feito desembolsos de aproximadamente US$ 8 bilhões. 
 
O fluxo de caixa livre da Vale poderá variar de US$ 7 bilhões a US$ 14 bilhões em 2022, desde que a média anual no preço do minério de ferro varie entre US$ 65/t a US$ 85/t; a média anual no preço do níquel fique entre US$ 15.000/t e US$ 20.000/t; a taxa de câmbio média fique em 4,00 BRL/USD para o período de 2022. Além disso, as estimativas de Fluxo de Caixa não consideram dividendos, buybacks e aquisições bolt-on. A projeção para o Ebitda em 2022 é algo entre US$ 15,5 bilhões e US$ 23,5 bilhões, o que irá depender da média anual no preço do minério de ferro entre US$ 65/t e US$ 85/t; média anual no preço do níquel entre US$ 15.000/t e US$ 20.000/t; e taxa de câmbio média de 4,00 BRL/USD. 
 
A Vale reviu suas metas de sustentabilidade para 2030 para objetivos mais ambiciosos. A mineradora propõe 100% de autoprodução de energia limpa globalmente; recuperar e proteger 500.000 ha de área degradada além das fronteiras brasileiras; e reduzir as emissões de gás de efeito estufa em linha com o Acordo de Paris e se tornar carbono neutro até 2050. A Vale esclarece que as informações divulgadas representam uma mera estimativa, dados hipotéticos que de forma alguma constituem promessa de desempenho por parte da Vale e/ou de seus administradores. As projeções apresentadas envolvem fatores de mercado alheios ao controle da Vale e, dessa forma, podem sofrer novas alterações.