17/10/2019
VALE

Produção de minério de ferro cresce 35,4%

A Vale produziu 86,7 milhões de toneladas de minério de ferro (inclui compra de terceiros, run-of-mine e feed para planta de pelotização) no 3º trimestre de 2019, o que representa um crescimento de 35,4% sobre o trimestre anterior. A retomada das operações de Brucutu e o retorno parcial das operações de processamento a seco no Complexo de Vargem Grande, anunciados em junho e julho, respectivamente, contribuíram para este resultado.

O Sistema Norte produziu 55,4 milhões de toneladas no trimestre, incremento de 33,3% sobre o 2º trimestre e 2,7% superior na comparação com o mesmo período de 2018. O resultado inclui a produção recorde de 20,4 milhões de toneladas do S11D, graças a um ramp-up bem sucedido. A mineradora espera que o S11D produza 90 milhões de toneladas de minério de ferro em 2020.

Já a produção de pelotas (engloba a capacidade de utilização de terceiros) alcançou 11,1 milhões de toneladas entre julho e setembro, 22,7% acima do trimestre anterior em razão da maior produtividade das plantas de pelotização após o período de manutenção no 2º trimestre e à retomada das operações de Brucutu, que aumentou a qualidade do pellet feed fornecido às plantas do Sistema Sudeste.

A Vale calcula retomar a produção remanescente de cerca de 50 milhões de toneladas até o final de 2021, já que alguns marcos foram alcançados e outros continuam em andamento, como a aprovação de testes de gatilho na mina para retomar as operações de processamento a seco e a autorização de testes de gatilho no TFA (Terminal Ferroviário de Andaime), um passo importante para desengargalar a logística do Complexo de Vargem Grande. Alinhada com a estratégia de margem sobre volume e para atender às condições de mercado prevalecentes, em 26 de setembro de 2019 a Vale revisou seu guidance de produção de pelotas para 43 milhões de toneladas. O volume de vendas de finos de minério de ferro e de pelotas totalizou 85,1 milhões de toneladas, crescimento de 20,2% sobre o 2º trimestre. A Vale reafirma seu guidance de vendas de minério de ferro e pelotas de 307-332 milhões de toneladas, com expectativa de vendas próximas ao centro da faixa.

A produção de níquel acabado alcançou 51,4 mil t no trimestre, 14,2% superior aos três meses anteriores, uma vez que as operações gradualmente retornaram às taxas regulares ao longo do trimestre, após manutenção programada e não programada nas refinarias no Atlântico Norte e na Ásia. No Brasil, a autorização judicial para retomar as operações de processamento e de mineração em Onça Puma, concedida em setembro, foi outro marco alcançado para a estabilidade da produção. Como todas as refinarias devem operar em taxas regulares por todo o 4º trimestre e com a retomada de Onça Puma, espera-se uma produção mais forte no próximo trimestre.

A produção de cobre alcançou 98,3 mil no trimestre e ficou em linha com a produção do 2º trimestre e 4% superior ao comparativo anual. O projeto Salobo registrou recorde histórico de produção mensal em julho, totalizando 50,9 mil t no trimestre, 11,4% acima do trimestre anterior, principalmente, devido aos maiores teores e à maior produtividade na mina e nas plantas de processamento.

Veja também

13/11/2019
BRUMADINHO | Aprovado relatório final da CPI
13/11/2019
MINÉRIO DE FERRO | Minas-Rio deve produzir mais 21%
07/11/2019
MINA DE ALEGRIA | ANM permite retomada das operações
30/10/2019
PARAOPEBA | Obras de novo sistema de captação
28/10/2019
MINÉRIO DE FERRO | Samarco já pode voltar a operar
23/10/2019
MINÉRIO DE FERRO | Licenciamento para expansão da mina do Baú
23/10/2019
BARRAGENS | Vale suspende disposição em Itabira