30/10/2019
YAMANA GOLD

Produção alcança 238,6 mil onças

A Yamana Gold registrou lucro líquido atribuível aos acionistas de US$ 201,3 milhões no 3º trimestre ou US$ 0,21 por ação básica em comparação ao prejuízo líquido de US$ 81,3 milhões do mesmo trimestre de 2018. O lucro líquido ajustado alcançou US$ 49,5 milhões, montante superior aos US$ 23,6 milhões obtidos no 3º trimestre de 2018. 

A produção total da Yamana chegou a 238.623 onças equivalentes, incluindo 209.903 onças de ouro e 2,48 milhões de onças de prata. A dívida bruta diminuiu US$ 800,6 milhões no trimestre, resultando em uma redução na dívida líquida de US$ 810,3 milhões, para US$ 948,9 milhões. No trimestre, a Yamana registrou crescimento significativo das reservas minerais e do teor de reserva mineral em Jacobina, além de aumento no total de onças potenciais contidas e futuras. A companhia descobriu também East Gouldie, uma nova zona mineralizada da mina canadense de Malartic. 

"Nossas operações continuaram apresentando forte desempenho durante o terceiro trimestre", disse Daniel Racine, Presidente e CEO da Yamana. "Esperamos que continue até o quarto trimestre, historicamente o mais forte. O fluxo de caixa das atividades operacionais aumentou acentuadamente durante o trimestre, para US$ 157,4 milhões, um aumento de 72% em relação à média dos três trimestres anteriores. O fluxo de caixa das atividades operacionais antes da mudança líquida no capital de giro aumentou para US$ 152,4 milhões, um aumento de 22% em relação à média dos três trimestres anteriores, enquanto o fluxo de caixa livre líquido de US $ 99,9 milhões foi 36% maior que a média dos três trimestres anteriores e mais do que o dobro dos US$ 49,1 milhões gerados no mesmo trimestre de 2018. 

No 3º trimestre, a Yamana anunciou aumentos de 8,6% e 2,6%, respectivamente nas reservas minerais e teor de reserva mineral em Jacobina em relação ao final de 2018. Esse aumento nas reservas minerais e no teor suporta a produção anual de ouro acima de 170 mil onças, que foi previamente orientada como meta após a conclusão em meados de 2020 da Fase 1 da expansão planejada da mina. Essa primeira fase envolve uma otimização modesta da planta para um nível de produção sustentável de 6.500 toneladas por dia. A Fase 2 tem potencial para aumentar a produção acima de 225 mil onças anuais, com um cenário provável de produção da planta na faixa de 7.500 a 8.500 toneladas diárias, mantendo as recuperações de ouro entre 96% e 97%. Um estudo de pré-viabilidade para identificar novos cenários para ampliação de mineração e processamento e determinar um cronograma para o projeto deve ser concluído n 1º trimestre de 2020. 

Os setores de Canavieiras e Morro do Vento continuam a fornecer altos intervalos de mineralização de alto grau, indicando excelente potencial para reserva mineral e crescimento de recursos minerais em graus melhores do que a vida atual das classes de minas. A área de João Belo demonstrou um excelente potencial para o crescimento de recursos minerais de longo prazo imediatamente adjacente à mina existente de João Belo, historicamente o produtor mais importante de Jacobina.

Já os programas de exploração em depósitos e áreas de exploração prospectivas a leste do poço aberto da Malartic no Canadá estão em andamento, o que inclui a nova descoberta da zona mineralizada de East Gouldie, bem como as zonas Odyssey, East Malartic, Sladen, Sheehan e Rand. A perfuração em East Gouldie produziu várias interceptações positivas, e os resultados indicam que as zonas de East Gouldie, East Malartic e Sladen estão convergindo em profundidade, aumentando o nível de confiança no potencial econômico de recursos minerais em geral abaixo de 1.000 metros. Outras definições e perfurações de exploração também testarão a área de alto potencial entre as zonas de Odyssey e East Gouldie, localizadas abaixo e a leste do atual poço aberto operações.