14/10/2019
VALE

Nova adutora no rio Pará supre população

A Vale iniciou as obras de uma nova adutora do rio Pará, entre Pará de Minas e Conceição do Pará, em Minas Gerais. A estrutura compõe o conjunto de ações da mineradora para garantir o abastecimento de água para a população local, com segurança e seguindo todos os padrões de qualidade de engenharia. A obra está prevista para ser concluída em julho de 2020. A adutora será entregue à Prefeitura de Pará de Minas e operada pela Concessionária Águas de Pará de Minas (Capam). 
 
A adutora terá vazão de 284 litros por segundo, mesmo volume que o município de Pará de Minas captava no rio Paraopeba. A tubulação terá aproximadamente 47 km de extensão e será formada por cerca de 7,2 mil tubos de 6 metros a 12 metros de extensão e diâmetro de 500 mm. Com exceção das travessias de rios e córregos, a tubulação será totalmente subterrânea para minimizar os impactos posteriores à obra. 
 
A obra deve gerar, na fase de pico, entre 500 e 600 empregos no período de novembro de 2019 a março do próximo ano. A mão-de-obra será preferencialmente local e de cidades vizinhas. A Vale seguirá sua política interna de privilegiar a contratação de fornecedores da região, gerando emprego e renda para moradores de Pará de Minas, Conceição do Pará e municípios limítrofes. 
 
A adutora integra as medidas previstas no Termo de Compromisso (TC) assinado em março pela Vale e Prefeitura de Pará de Minas, Capam e interveniência do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Além dela, o TC previa ações emergenciais já implementadas pela Vale para amenizar o impacto da interrupção da captação do rio Paraopeba em Pará de Minas. A mineradora já colocou em operação oito poços profundos, garantindo uma vazão de 52 l/s, além de uma nova captação no ribeirão Cova Danta, com capacidade para 96 l/s. Para esse sistema, uma linha de distribuição de energia elétrica também foi instalada. Após a conclusão da obra da nova adutora de Pará de Minas e, futuramente, com o retorno da captação no rio Paraopeba, o município de Pará de Minas poderá ter sua capacidade de abastecimento de água dobrada em relação ao que era antes do rompimento da barragem B1, em Brumadinho.