31/03/2020
ARCELORMITTAL

Menos produção e combate ao coronavírus

A ArcelorMittal avisa que os funcionários que podem estão trabalhando remotamente, por causa da pandemia do COVID-19, e que as operações são mantidas seguindo as recomendações do governo e da Organização Mundial da Saúde (OMS). A companhia afirma que o avanço do COVID-19 e as medidas adotadas pelos governos em diversas regiões do mundo estão impactando negativamente a atividade econômica e as cadeias de suprimentos industriais mundialmente. Como resultado, a ArcelorMittal prevê um declínio significativo da atividade industrial em muitos, senão em todos, mercados geográficos onde opera. 

A companhia decidiu reduzir a produção e os ativos temporários de produção e o acabamento de aço ocioso, adaptados país a país, alinhados à demanda regional e aos requisitos governamentais. Embora a Europa atualmente seja o epicentro da pandemia, segundo dados da OMS, a região do NAFTA já superou a China no número de casos, que também foram elevados na África, Índia, América do Sul e CEI. A companhia vai manter operações reduzidas onde a demanda por produtos continuar, como para as embalagens de alimentos. 

Para reduzir o impacto da COVID-19, a ArcelorMittal adotou medidas significativas para preservar caixa e reduzir custos em linha com níveis de produção reduzidos. Isso inclui acessar medidas introduzidas pelos governos para apoiar as empresas durante esses tempos sem precedentes. Nos últimos anos, a ArcelorMittal priorizou o fortalecimento de seu balanço patrimonial para fornecer uma base financeira sólida em todas as condições de mercado. A dívida líquida está em um nível recorde, com vencimento de dívida muito gerenciável, que utilizou o caixa disponível para pagar antecipadamente a dívida nos últimos anos e também se beneficia de uma posição de liquidez significativa. O balanço do primeiro trimestre de 2020 será divulgado em 7 de maio. A companhia adiou a assembléia geral prevista para 5 de maio de 2020 e uma nova data será comunicada oportunamente.

A ArcelorMittal concentrou esforços na colaboração para resolver a grave falta dos equipamentos médicos e de segurança necessários, incluindo máscaras faciais e ventiladores, com doações coletivas para várias iniciativas, além de transferir equipamentos para as regiões mais impactadas. Por exemplo, em fevereiro a companhia ajudou a obter máscaras para a China. Agora, em conjunto com associados a empresa leva equipamentos médicos para os países que enfrentam uma escalada e, principalmente, como a Índia e a Libéria, que lutam para obter suprimentos adequados. 

Também contribui com a impressão 3D da equipe de P&D no desenvolvimento de um protótipo de ventilador impresso em 3D. Esse protótipo será testado eminentemente em hospitais e, se for bem-sucedido aumentará enormemente a capacidade de produzir ventiladores rapidamente. A ArcelorMittal conclui que, onde há excesso de capacidade, oferece espaço às instalações médicas para hospedar enfermarias adicionais.