09/04/2020
METSO

Medidas rígidas para manter operação

A Metso decidiu adotar um protocolo de segurança rígido que permitisse à empresa continuar a operar durante a pandemia COVID-19. A companhia adotou práticas rígidas de sanitização – em padrão hospitalar - nas unidades operacionais, além do monitoramento ativo dos colaboradores e um Comitê de Gestão de Riscos que opera com reuniões diárias. “De todas as iniciativas, nossa prioridade é a saúde dos colaboradores”, reforça Marcelo Motti, vice-presidente da Metso.

A companhia segue as orientações internacionais para combate à pandemia e colocou os colaboradores do chamado grupo de risco – maiores de 60 anos, gestantes e pessoas com histórico de problemas de saúde que podem ser mais afetadas pelo coronavírus – em regime de home office. Os colaboradores da fábrica que continua ativa, mas pertencem a este grupo, também foram colocados em disponibilidade e orientados a permanecer em quarentena. Já a área administrativa foi realocada – 90% dos colaboradores – para o regime de home office. Com as medidas, a Metso acredita que reduziu significativamente o número de pessoas em suas instalações. Na fábrica, os protocolos de segurança também foram reforçados e todos os colaboradores estão sendo monitorados pela medicina ocupacional. 

Na maior parte dos casos, a companhia adota os protocolos de segurança de seus clientes para os profissionais de campo. E existe uma razão para isso: pela natureza de suas operações – plantas de mineração, agregados, fertilizantes, óleo e gás – são empresas que já trabalham com condições rígidas de segurança e têm operado com padrões também restritos para evitar paralisações.