23/10/2019
SIDERURGIA

Esforços para combater sobrecapacidade

Um grupo de 19 associações siderúrgicas nas Américas, Europa, Ásia e África pediram aos governos que intensificassem os esforços para combater efetivamente o excesso de capacidade global persistente no setor siderúrgico, com a implementação urgente de regras e soluções que reduzam o excesso de capacidade, impactos e suas causas. Os grupos enfatizaram que os governos devem usar todos os mecanismos e fóruns de negociação disponíveis, incluindo o Fórum Global do G-20 sobre Capacidade Excedente de Aço, para: Garantir a redução do excesso de capacidade; Eliminar subsídios que distorcem o mercado e outras medidas de apoio que contribuem para o excesso de capacidade; Manter soluções comerciais eficazes para garantir condições de concorrência equitativas impulsionadas pelas forças do mercado; Apoiar regras internacionais mais fortes contra subsídios e preferências a empresas controladas pelo Estado; Aumentar a transparência e a cooperação e Criar mecanismos robustos para facilitar a saída de empresas ineficientes. 

Os grupos da indústria elogiaram a declaração de 30 de setembro, dada por Ulf Zumkley, presidente do Comitê de Aço da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que expressou sérias preocupações com o crescimento inesperado de novas instalações siderúrgicas em 2019, exacerbando o excesso de capacidade global e contribuindo para aumentar tensões. Os participantes do Comitê do Aço da OCDE afirmaram que o setor necessita reduzir capacidades adicionais nas economias produtoras de aço relevantes. “Somos gratos pelos esforços feitos até o momento pelos governos do G-20 e pela OCDE em abordar o excesso de capacidade e apoiar um campo de atuação no Fórum Global do G-20 sobre Excesso de Capacidade de Aço e no Comitê de Aço da OCDE”, disseram os grupos do setor. “Infelizmente, reduções efetivas de capacidade e ações concretas para remover medidas governamentais que distorcem os mercados, inclusive os de matérias-primas, ainda não são adequadas. Os esforços dos governos para eliminar práticas que levam ao excesso de capacidade devem ser redobrados”. 

Os grupos siderúrgicos que solicitam a redução da capacidade global são Associação dos Fabricantes de Aço (SMA), Instituto Americano de Ferro e Aço (AISI), EUROFER (Associação Européia do Aço), Associação Canadense de Produtores de Aço (CSPA), CANACERO (Mexican Steel Associação), Alacero (Associação Latino-Americana do Aço), Instituto Brasileiro do Aço, Associação Turca de Produtores de Aço, Associação Republicana de Empresas de Mineração e Metalurgia (AMME), Federação Japonesa de Ferro e Aço (JISF), Federação Européia de Tubos de Aço (ESTA), Associação de Ferro e Aço da Coréia (KOSA), Indústria Siderúrgica Especial da América do Norte (SSINA), Instituto Sul-Africano de Ferro e Aço (SAISI), Instituto de Barras de Aço Formado a Frio (CFSBI), Associação de Empresas do Reino UnidoRMETALURGPROM (Ucrânia), Associação Siderúrgica Russa , Associação Indiana do Aço e Comitê de Importação de Tubos (CPTI).