20/10/2020
ROCHAS ORNAMENTAIS

Entendendo impactos da COVID-19

O Centro Brasileiro dos Exportadores de Rochas Ornamentais (Centrorochas) e o Sindicato das Indústrias de Rochas Ornamentais, Cal e Calcários do Estado do Espírito Santo (Sindirochas) realizaram consulta entre os dias 5 e 11 de outubro junto às empresas do setor no Espírito Santo (principal estado produtor e exportador). O objetivo era entender os impactos da crise decorrente da pandemia do COVID-19. 

O levantamento apontou que 64% das empresas não sentem mais os impactos inicialmente trazidos pela pandemia. Apesar disso, permaneceram alguns registros de impacto como clientes negociando prorrogação de prazos (12%), aumento na inadimplência dos clientes (10%) e a necessidade de renegociação de financiamentos (6%). O levantamento faz parte de uma série que vem sendo realizada pelas duas entidades desde o início da crise sanitária mundial para traçar um panorama do segmento.

Entre as empresas que atuam ao mesmo tempo nos mercados interno e externo, 85% indicaram que houve crescimento em setembro em relação ao mesmo mês de 2019 no mercado externo, e no mercado interno o crescimento foi apontado por 56% dessas empresas. Houve estabilidade para 33% (mercado interno) e 15% (mercado externo). Entre todas as participantes que atuam no mercado interno, incluindo aquelas que atuam nos dois mercados, 68% estão otimistas por um crescimento em outubro em relação ao mesmo período no ano passado. Para as empresas que atuam no exterior, há expectativa de crescimento, na mesma base de comparação, para 72% delas.

Cerca de 40% das empresas contrataram em setembro e, 41% das empresas apontaram, ainda, que realizaram admissões nos últimos meses e já estão com o efetivo maior do que o existente antes do início da pandemia. Para outubro, a projeção de admissão para s companhias é de 25%. 

As participantes da pesquisa acreditam em um cenário positivo para 2021, mesmo com um ritmo inferior do que o observado nos últimos meses. A pesquisa foi feita por formulário eletrônico divulgado nos grupos de WhatsApp das entidades. Foram recebidas 46 respostas válidas que, considerando o faturamento anual, originaram-se de 76% de empresas de médio porte, 21% de pequenas e microempresas e 2% de empresas de grande porte. Entre elas, 59% têm atuação no mercado interno e externo, 22% têm foco no mercado interno e 20% no internacional.