08/06/2020
VALE

Complexo de Itabira paralisado por Covid-19

A Vale informou ao mercado que, em 5 de junho, adotou as medidas necessárias para suspensão das atividades de mineração no Complexo de Itabira, composto pelas minas de Conceição, Cauê e Periquito, em atendimento a uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, que restabeleceu os efeitos de Termo de Interdição emitido pela Subsecretaria de Inspeção do Trabalho, em Minas Gerais. A determinação vigorará até julgamento do mérito da ação ou até que sejam implementadas as medidas de controle para proteção ao COVID-19 determinadas pelos auditores fiscais do trabalho, sob pena de aplicação de multa diária no valor de R$ 500 mil, fixada em uma decisão proferida em 6 de junho de 2020 pelo mesmo tribunal. De acordo com a Vale, “a paralisação das atividades das referidas minas segue todos os critérios técnicos e protocolos de segurança, para proteger a saúde dos trabalhadores.

Guidance de produção 

Em função da paralisação, a mineradora informa que o guidance de volume de produção de minério de ferro de 310-330 Mt em 2020 “considera um impacto negativo de 15Mt provenientes de eventuais impactos decorrentes do combate ao COVID-19. Considerando (i) a produção mensal esperada de 2.7Mt do Complexo de Itabira para os próximos meses e (ii) o provisionamento de até 15Mt de perdas associadas à COVID-19 em 2020, não há, nesse momento, necessidade de revisão do guidance. A Vale informa, no entanto, que poderá haver desabastecimento temporário de pelotas para o mercado interno, enquanto permanecer a paralisação de Itabira, tendo em vista que o complexo fornece pellet feed para as pelotizadoras do complexo de Tubarão”.

Por fim, a empresa afirma que tem consciência de sua responsabilidade socioeconômica e, desde o início da pandemia, tem buscado meios para contribuir com a sociedade brasileira na luta contra o vírus, protegendo seus empregados e as comunidades no entorno de suas operações.