01/12/2020
METAIS

China é chave para garantir preços

A trajetória da demanda da China parece ter uma influência maior sobre os preços globais dos metais do que a eleição dos Estados Unidos, especialmente devido ao fracasso dos democratas até agora em garantir uma ‘limpeza geral’, garantindo a maioria no Senado.

A empresa de pesquisa Capital Economics disse, em nota de 30 de outubro, que os metais industriais se beneficiariam da promessa do presidente eleito Joe Biden de gastar US$ 2 trilhões "o mais rápido possível" em seu primeiro mandato para expandir a infraestrutura de energia limpa do país. No entanto, a empresa acrescentou que "o quadro geral continua sendo que a trajetória da demanda na China será o principal determinante dos preços globais dos metais".

A Capital Economics observou que os Estados Unidos são um pequeno consumidor de metais em comparação com a China e que US$ 2 trilhões gastos em infraestrutura em quatro anos equivaleriam a pouco mais de 2% do PIB norte-americano por ano, o que é menor do que o estímulo fiscal chinês implementado neste ano, de 4% do PIB. “Vale lembrar que a aprovação, planejamento e financiamento desses projetos seriam demorados [nos EUA]”, acrescentou a Capital Economics.

Em novembro, a empresa publicou nota afirmando que "o aparente fracasso do Partido Democrata em realizar uma ‘limpeza geral’ na eleição significa que muitas das iniciativas políticas e propostas de gastos feitas por Joe Biden durante sua campanha provavelmente será - na melhor das hipóteses - significativamente diluída. "Como resultado, o impacto sobre os preços das commodities será muito menor do que seria o caso", disse a empresa.

Em relação ao dilema sobre a política energética, a Capital Economics disse que, embora isso remova um risco de queda para o consumo de carvão dos EUA "em teoria", sua perspectiva de médio prazo para o carvão é praticamente inalterada, já que a transição do carvão para o gás natural e energia renovável parece destinada a continuar. Embora a falta de um pacote de gastos com infraestrutura verde em grande escala também limite o potencial de alta para os preços dos metais industriais, especialmente o aço dos EUA, a Capital Economics disse que isso "apenas acrescenta peso" à sua visão de que a perspectiva de preço de médio prazo para os metais industriais é sombria, dado que o crescimento da demanda por metais da China desacelerará após 2021.

A Westpac observou que as importações de minério de ferro da China ultrapassaram 100 milhões de toneladas pelo quinto mês consecutivo em outubro, já que "o foco continua nos gastos com infraestrutura para impulsionar o crescimento econômico", e enquanto as importações de cobre da China caíram para o mínimo de cinco meses durante a semana encerrada em 6 de novembro, eles aumentaram 40% no acumulado do ano em relação a 2019. A Westpac disse que, embora as importações totais de minério de ferro da China em outubro, de 106,74 Mt, tenham ficado abaixo de 108,55 Mt em setembro, foi o terceiro maior já registrado, apesar do feriado chinês na primeira semana do mês.

Já a S&P Global Market Intelligence afirmou que o níquel está "pronto para desempenhar um papel importante na transição econômica futura da China, dado que o novo plano de cinco anos do país e a 'Visão 2035' verá o crescimento focado na demanda sustentável, energia renovável e tecnologia". A ANZ também disse que os planos da China de construir reservas estratégicas de minerais essenciais e apoiar a agricultura "devem aumentar a demanda de importação" de cobre, petróleo, cobalto, lítio e níquel, dada a falta de produção doméstica deles. “Um impulso adicional em direção à urbanização e maior renda familiar deve apoiar o consumo doméstico e a forte demanda por commodities”, disse a ANZ. "Os investimentos em tecnologia e inovação, incluindo semicondutores, tecnologia 5G e veículos elétricos, também estimularão a demanda por metais essenciais”.

Veja também