06/10/2020
NEXA

Capex de Aripuanã sobe para US$ 547 milhões

A Nexa Resources atualizou relatório técnico sobre o seu projeto da mina subterrânea de polimetálicos em Aripuanã, localizada no Mato Grosso. A operação está programada para começar no início de 2022. A produção equivalente de zinco é estimada em 119 mil t/ano por aproximadamente 11 anos, com base nas Reservas Minerais atuais estimadas de acordo com o Instituto Canadense de Mineração, Metalurgia e Petróleo (CIM), conforme incorporados no Instrumento Nacional de Administradores de Valores Mobiliários canadenses 43-101 - Padrões de divulgação para projetos minerais. 

O CAPEX total estimado aumentou para US$ 547 milhões, em comparação com os US$ 392 milhões estabelecidos no estudo de viabilidade de Aripuanã publicado em 2018, com base em uma revisão detalhada e atualização do projeto, incluindo o impacto da COVID-19. “Além de fatores externos, tivemos problemas durante a execução do projeto. As atividades de terraplenagem foram mais desafiadoras do que o previsto e também enfrentamos problemas que afetaram a engenharia, aquisições e empreiteiros. Como resultado, o cronograma do projeto foi estendido e os custos de capital estimados aumentaram. Reorganizamos a equipe do projeto e mudamos o escopo dos principais contratados para resolver alguns desses problemas e mitigar outros riscos potenciais” comentou Tito Martins, CEO da Nexa Resources. 

Tito disse ainda que o projeto avança de acordo com o plano atualizado e que os principais desafios já ficaram para trás. “Continuamos confiantes de que Aripuanã será uma operação de mina de baixo custo e longa vida. Com base nos Recursos Minerais atualizados, a produção da mina tem o potencial de se estender além de 20 anos”. Aripuanã é um dos poucos projetos de zinco em desenvolvimento no mundo e é consistente com a estratégia de aumentar ainda mais a integração das operações de mineração e fundição da Nexa. 

As reservas minerais comprovadas e prováveis são estimadas em um total de 23,5Mt a 3,66% Zn, 1,36% Pb, 0,25% Cu, 34,3 g / t Ag e 0,31 g / t Au, usando um valor de corte de US$ 45,00 / t NSR contendo 859,8 kt Zn, 319,0kt Pb, 59,7kt Cu, 25,9Moz Ag e 236,1koz Au. Os Recursos Minerais Medidos e Indicados de Aripuanã, reportados exclusivamente para as Reservas Minerais, são estimados em 8,1Mt a 2,09% Zn, 0,74% Pb, 0,31% Cu, 22,4 g / t Ag e 0,38 g / t Au. Além disso, os Recursos Minerais Inferidos, incluindo Babaçu, são estimados em 39,5Mt a 3,31% Zn, 1,22% Pb, 0,33% Cu, 33,8 g / t Ag e 0,58 g / t Au. 

Além das extensões abertas de Arex, Link e Ambrex, Babaçu tem o potencial de expandir a vida útil da mina de Aripuanã ou aumentar a capacidade de produção devido às suas zonas mineralizadas robustas muito próximas a Ambrex. O plano de produção atual do Projeto contempla a exploração das minas Arex, Link e Ambrex. A taxa de alimentação planejada da usina é de 5,9 mil t/dia, em um período de 11 anos.

A recuperação metalúrgica é em média 89% para zinco, 71% para cobre, 83% para chumbo, 75% para prata e 67% para ouro ao longo da vida da mina. Estima-se que Aripuanã gere um valor presente líquido, após impostos (“NPV”), de US$ 27 milhões (a uma taxa de desconto de 9%, termos reais) durante a vida útil de 11 anos. A produção de concentrado de zinco será aproximadamente metade exportada e a outra metade processada nas fundições da empresa no Brasil.