23/10/2020
VALE

Bom desempenho no 3° trimestre

A Vale produziu 88,7 milhões de toneladas de finos de minério de ferro no 3° trimestre de 2020, um aumento de 21,1 milhões de toneladas na comparação com o trimestre anterior. O recorde de produção de 56,9 milhões de toneladas em um trimestre foi alcançado no Sistema Norte, com agosto como o melhor mês, com 19,7 milhões de toneladas. O S11D teve uma produção recorde em setembro, com 8,3 milhões de toneladas, e no trimestre, com 24,4 milhões de toneladas. A mineradora disse que entregou forte produção no trimestre, e os negócios de níquel e cobre conseguiram recuperar a produtividade para um início robusto no último trimestre de 2020. Os resultados foram possibilitados pelo comprometimento da força de trabalho com os padrões de segurança da empresa e com rígida disciplina operacional, seguindo a implantação contínua do Sistema de Produção Vale (VPS). 

Os Sistemas Sul e Sudeste melhoraram em todas as unidades operacionais, notadamente no Complexo de Itabira e no site de Timbopeba (operando por um trimestre inteiro, devido à retomada em junho), e com a retomada das operações na mina de Fazendão em julho. A produção de minério de ferro foi mantida em torno de 1 milhão de toneladas diárias após meados de julho, apresentando consistência e estabilidade ao longo de quase todo o trimestre. As operações têm alcançado maiores taxas e estabilidade com segurança, a partir da implantação progressiva do VPS e de medidas como a Permissão de Trabalho Seguro (PTS). Todas as operações também foram favorecidas pelas condições climáticas regulares para o período.

A produção de pelotas da Vale somou 8,6 milhões de toneladas no trimestre, 21,1% superior, principalmente devido à maior disponibilidade de pellet feed, em especial do Complexo de Itabira, e ao melhor desempenho operacional das usinas de pelotização. As vendas de finos de minério de ferro e pelotas totalizaram US$ 4,6 milhões por toneladas e um volume de 74,2 milhões de toneladas, o que representa um acréscimo de 20,4% no trimestre. O lead time de logística entre produção e vendas CFR começou a se normalizar em setembro, com estoques ainda em trânsito na cadeia de suprimentos, com vendas totais de 28,6 milhões de toneladas. A expectativa é que o desempenho seja ainda melhor no 4° trimestre, sujeito à abordagem da Vale sobre a maximização de margem, que prioriza produtos blindados em seu portfólio. 

A produção de níquel acabado atingiu 47,1 mil t no trimestre, enquanto o volume de vendas alcançou 58,2 mil t, um aumento de 37,3%, em função dos melhores preços no trimestre e condições de mercado mais estáveis. A produção foi influenciada principalmente por trabalhos de manutenção remarcados da primeira metade do ano para o 3° trimestre nas operações do Atlântico Norte, o que abrirá caminho para taxas de produção mais elevadas a partir do quarto trimestre, uma rota mais longa para o mercado associada à gestão do portfólio de produtos de PTVI e um aumento temporário na produção de minério de origem de VNC no 2T20, uma vez que todo o estoque de óxido de níquel remanescente foi processado naquele trimestre.

A Vale produziu 87,6 mil t de cobre entre julho e setembro de 2020, principalmente pela retomada bem-sucedida em Voisey’s Bay, após o período de care and maintenance no trimestre anterior e ao desempenho mais forte nas operações do Atlântico Sul, que deverão ter um desempenho ainda melhor no último trimestre do ano, com a redução dos impactos relacionados à COVID-19 nas operações e nas rotinas de manutenção. Já a produção de carvão foi reiniciada em julho, após desacelerar a partir de abril e parar temporariamente em junho, devido à forte restrição na demanda. A produção atingiu 1,4 milhão de toneladas no trimestre e a mineradora mobiliza equipes para retomar o plano de manutenção de três meses em novembro de 2020, após o qual se espera o ramp up de produção em run-rate de até 15 milhões de toneladas anuais.