13/01/2021
INVESTIMENTOS

Appian capta US$ 775 milhões para mineração

A Appian Capital Advisory LLP concluiu o fechamento final de seu segundo fundo (Fundo II), que teve excesso de pedidos de subscrição e atingiu o limite máximo de US$ 775 milhões, após forte apoio de investidores Tier 1 atuais e novos em todo o mundo. Com este excesso de demanda, o total sob gestão do fundo foi elevado para mais de US$ 1,2 bilhão. 

O Fundo II seguirá a mesma estratégia do anterior (Fundo I) e terá negócios focados em ativos do setor de mineração e metais. A Appian visa ativos de médio porte, priorizando a lucratividade em vez da escala para gerar o máximo de retorno. O Fundo II deve se beneficiar das tendências demográficas, do crescimento econômico e da ação contra as mudanças climáticas Segundo a Appian, estes ativos incluem commodities usadas em baterias, veículos elétricos e sistemas de energia renovável, incluindo cobre e níquel. A empresa também fará investimentos em metais preciosos como um hedge de portfólio potencial.

O Fundo II investirá internacionalmente em ativos localizados em regiões com geologia comprovada, apoio governamental e estrutura legal, nos países onde a Appian já tenha operações (Brasil, Austrália, México, Peru, Chile e Canadá). O Fundo II já está 40% implementado ou reservado para cinco investimentos, que englobam investimento de capital na mina de cobre-ouro Serrote de cobre e ouro em desenvolvimento da Mineração Vale Verde (MVV) no Brasil e no projeto australiano de areias minerais Fingerboards, da Kalbar Operations; há um investimento de royalties no ativo de níquel-cobre-cobalto de Santa Rita da Atlantic Nickel na Bahia, e investimentos em royalties e crédito na mina de produção da Harte Gold na mina Sugar Zone em Ontário, Canadá. Além disso, o Fundo II tem capital disponível significativo para buscar outras oportunidades de coinvestimento. 

Após o sucesso do Fundo I e os investimentos já realizados do Fundo II, o portfólio da Appian se tornou bem diversificado. A empresa investe em equity, crédito e royalties em toda a estrutura de capital e, principalmente, onde suas equipes técnicas e financeiras líderes do setor podem ajudar as equipes de gestão a criar valor. "Estamos extremamente satisfeitos por termos fechado o Fundo II, atingindo o hard cap com o fundo subscrito, graças ao nosso modelo operacional e abordagem de investimento exclusivos. Nossos investidores Tier 1 valorizam nossa experiência técnica e financeira, que nos permite identificar, adquirir e desenvolver ativos subvalorizados”, disse Michael W. Scherb, fundador e CEO da Appian. “Além disso, é uma prioridade fazer mais investimentos no Brasil para o Fundo II, que está bem posicionado para aproveitar sua exposição a segmentos de alto crescimento da economia global, por meio de commodities que permitem a transição para a economia de baixo carbono e o desenvolvimento de infraestrutura para gerar retornos sólidos ajustados ao risco."

Veja também