19/11/2020
NEXA

“Aripuanã por Elas” busca igualdade dos gêneros

A Nexa e a Rede de Proteção Social e do Sistema de Garantia de Direitos de Aripuanã (MT) firmaram compromisso de fortalecer a atuação da rede de proteção e políticas públicas voltadas aos direitos das mulheres. É o projeto "Aripuanã por Elas", iniciativa que recebe o suporte técnico do Instituto Votorantim e a Ecos-Comunicação em Sexualidade. A pactuação foi elaborada para dar apoio à implementação de ações de promoção da igualdade de gênero, enfrentamento a violência, entre outras violações dos direitos das mulheres.

A parceria prevê a eliminação de todas as formas de discriminação e violência contra as mulheres. O projeto voluntário da Nexa pretende consolidar e ampliar os direitos das mulheres aripuanenses por meio de políticas públicas com a perspectiva de gênero. Para isso, a companhia elabora campanhas educativas e oficinas informativas, com ênfase no fortalecimento da participação social e apoio à consolidação da política de enfrentamento à violência. O planejamento reúne um conjunto de diretrizes, metas e ações que irão compor o plano de ação para 2021. 

Em uma primeira etapa, a Ecos-Comunicação em Sexualidade realizará o diagnóstico situacional para definir estratégias. Serão avaliados os cenários de igualdade de gênero; mercado de trabalho; violação dos direitos, entre outras abordagens. Por causa da pandemia da COVID-19, as entrevistas com o corpo técnico da Rede de Proteção Social e do Sistema de Garantia de Direitos do município será de modo remoto. Essa iniciativa tem como objetivo fortalecer o empoderamento das mulheres por meio de políticas públicas. As mulheres exercem cada vez mais um papel de protagonista, embora ainda sofram com as heranças históricas do sistema social. Com o tempo, elas vêm conseguindo aumentar o seu espaço nas estruturas sociais, assumindo postos de trabalho, cargos importantes e múltiplas estruturas hierárquicas", disse Silvia Regina Ferreira, gerente de Desenvolvimento Humano e Organizacional do Projeto Aripuanã.

Já para a diretora executiva da Ecos-Comunicação em Sexualidade, a psicóloga Juny Kraiczyk, “a iniciativa irá promover os principais obstáculos para erradicar os casos de violação dos direitos contra as mulheres, como a resistência do efetivo engajamento dos homens como uma peça-chave no combate a essa triste realidade”. "É preciso olhar para os abusos sexuais e violência cometidos sobretudo em tempos de isolamento provocado pela pandemia". A Rede de Proteção Social e do Sistema de Garantia de Direitos do município é composta por representantes do Conselho Municipal de Mulheres, Conselho Estadual de Direitos da Mulheres, além de gestores da Secretaria de Assistência Social, Educação e Saúde, Conselho Tutelar, Centro de Referência de Assistência Social (Cras), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Polícia Militar, Polícia Civil e Promotoria de Justiça.