Preços dos metais devem cair 5% em 2022

21/10/2021

A última previsão do Banco Mundial para os mercados de commodities é de que os preços de energia – com média de 80% mais alta em 2021, especialmente no terceiro trimestre – devem permanecer elevados em 2022. A expectativa é que ocorra uma queda na segunda metade do próximo ano à medida que as restrições de oferta diminuam. Os preços não energéticos, incluindo agricultura e metais, deverão diminuir em 2022, após fortes ganhos este ano. “O aumento nos preços da energia apresenta riscos significativos de curto prazo para a inflação global e, se sustentada, também pode pesar no crescimento dos países importadores de energia”, disse Ayhan Kose, Economista-Chefe e Diretor do Grupo de Perspectivas do Banco Mundial, que produz o Relatório Commodities Outlook. “A forte recuperação dos preços das commodities está se revelando mais pronunciada do que o projetado anteriormente. A volatilidade recente dos preços pode complicar as escolhas de políticas, já que os países se recuperam da recessão global do ano passado”. 

Em 2021, alguns preços de commodities subiram ou ultrapassaram os níveis não vistos desde o pico de 2011. Por exemplo, os preços do gás natural e do carvão atingiram níveis recordes em meio a restrições de oferta e recuperação da demanda por eletricidade, embora devam cair em 2022 à medida que a demanda reduzir e a oferta for ampliada. No entanto, picos de preços adicionais podem ocorrer no curto prazo em meio a estoques muito baixos e gargalos de fornecimento persistentes.

Os preços do petróleo bruto (uma média de Brent, WTI e Dubai) devem atingir a média de US$ 70 em 2021, um aumento de 70%. Eles estão estimados em US$ 74 o barril em 2022, conforme a demanda por petróleo se fortalece e atinge níveis pré-pandêmicos. O uso de petróleo bruto como substituto do gás natural apresenta um grande risco de alta para as perspectivas de demanda, embora os preços de energia mais altos possam começar a pesar no crescimento global.

À medida que o crescimento global enfraquece e as interrupções no fornecimento são resolvidas, os preços dos metais devem cair 5% em 2022, após um aumento estimado de 48% em 2021. Após um aumento projetado de 22% em 2021, os preços agrícolas devem cair modestamente no próximo ano, as condições de abastecimento melhoram e os preços da energia se estabilizam. “Os altos preços do gás natural e do carvão estão impactando a produção de outras commodities e representam um risco de alta para as previsões de preços”, disse John Baffes, Economista Sênior do Grupo de Perspectivas do Banco Mundial. “A produção de fertilizantes foi reduzida pelos preços mais altos do gás natural e do carvão, e os preços mais altos dos fertilizantes aumentaram os custos de insumos para as principais safras de alimentos. A produção de alguns metais, como alumínio e zinco, também foi reduzida devido aos altos custos de energia”. 

De forma mais ampla, os eventos deste ano destacaram como as mudanças climáticas são um risco crescente para os mercados de energia, afetando tanto a demanda quanto a oferta. De uma perspectiva de transição energética, as preocupações sobre a natureza intermitente da energia renovável destacam a necessidade de uma carga de base confiável e de geração de eletricidade de reserva. Porém, cada vez mais, eles precisarão ser de fontes de baixo carbono, como energia hidrelétrica ou nuclear, ou de novos métodos de armazenamento de energia renovável. Ao mesmo tempo, o aumento dos preços do gás natural e do carvão este ano tornou a energia solar e eólica ainda mais competitiva como fonte alternativa de energia. Os países podem se beneficiar da aceleração da instalação de energia renovável e da redução de sua dependência de combustíveis fósseis.

O relatório observa que as previsões estão sujeitas a riscos substanciais - incluindo clima adverso, recuperação irregular da COVID-19, ameaça de mais surtos, interrupções na cadeia de suprimentos e políticas ambientais. Além disso, os preços mais altos dos alimentos, junto com o recente aumento nos custos de energia, estão elevando a inflação dos preços dos alimentos e aumentando as preocupações com a segurança alimentar em várias economias em desenvolvimento.

Foco especial: Urbanização e demanda de commodities

À medida que a mudança global da vida rural para a urbana continua, a seção Foco especial do relatório explora o impacto da urbanização na demanda por commodities. Embora as cidades sejam frequentemente associadas ao aumento da demanda por commodities de energia (e, portanto, às emissões de gases de efeito estufa), o relatório conclui que as cidades de alta densidade, especialmente nas economias avançadas, podem ter uma demanda de energia per capita menor do que as cidades de baixa densidade. Como a proporção de pessoas que vivem em áreas urbanas deve continuar a aumentar, esses resultados destacam a necessidade de um planejamento urbano para maximizar os elementos benéficos das cidades e mitigar seus impactos negativos. As cidades estão na vanguarda das mudanças climáticas, e o planejamento estratégico, especialmente para ligações de transporte, pode ajudar a reduzir o consumo de recursos e, principalmente, as emissões de gases de efeito estufa.

Tags