17/04/2019
OURO

Marmota Limited encontra ouro em vegetação

Empresa de mineração de ouro que trabalha no Sul da Austrália a Marmota Limited identificou recentemente novos alvos de ouro em seu prospecto Aurora Tank utilizando amostras biogeoquímicas que consistem em coletar amostras de vegetação, como folhas de árvores e arbustos, e testar o material quanto à presença de ouro ou outros produtos químicos que frequentemente se associam ao ouro, os chamados elementos pathfinder. Com esta técnica, a Marmota encontrou vestígios de ouro nas folhas das árvores e usou essa informação para orientar seu programa de perfuração, mostrando que o ouro pode, de fato, crescer em árvores!
 
O trabalho original da Marmota realizado em Kalgoorlie, na Austrália Ocidental, demonstrou que árvores de eucalipto que cresciam acima das áreas conhecidas de mineralização de ouro continham partículas de ouro detectáveis em suas folhas e galhos. As raízes das árvores atuam como bombas hidráulicas para trazer pequenos traços de metais de corpos subterrâneos profundos. As partículas de metais absorvidas pelas raízes viajam para os tecidos vegetais dos ramos e folhas. Mesmo as folhas que caem ainda contêm quantidades vestigiais do metal.
 
A Marmota decidiu coletar e analisar o material da folha que pode revelar quais áreas da terra contêm regiões mais profundas de mineralização de ouro. Dos testes iniciais em Kalgoorlie, os pesquisadores concluíram o maior levantamento biogeoquímico da Austrália, a criação de um mapa do tesouro dos tempos modernos, a amostragem de centenas de eucaliptos e árvores mulga no Cráton Norte Yilgarn, na Austrália Ocidental. O Cráton de Yilgarn é a maior massa de terra da Austrália Ocidental e é uma das mais antigas paisagens preservadas na Terra. O leste de Yilgarn é famoso por depósitos de ouro e níquel, mas a área do norte permanece amplamente inexplorada para novas descobertas minerais. 
 
Os pesquisadores da Marmota Limited mapearam 130 mil km² de mata australiana no norte de Yilgarn - uma área do tamanho da Grécia - em busca de informações sobre possíveis depósitos de ouro e uma série de outras commodities minerais economicamente valiosas. Foram encontrados resultados positivos para metais específicos e elementos pathfinder que agora podem ser usados para identificar áreas a serem exploradas.
 
Junto com as descobertas recentes, a Marmota reconhece o método de pesquisa biogeoquímica no norte de Yilgarn, uma vez que se sobrepôs a uma área que já havíamos pesquisado usando a amostragem de águas subterrâneas e mostrou resultados correspondentes. A companhia afirma: “Descobrimos que as áreas onde o ouro foi detectado em amostras de águas subterrâneas coincidiram com áreas nas quais detectamos ouro nas amostras de vegetação”. Segundo a Marmota a técnica de amostragem geoquímica está ajudando as empresas de exploração mineral a se dedicarem a novas metas para as próximas grandes descobertas. “Nosso trabalho de pesquisa no Cráton de Yilgarn produziu o maior conjunto de dados de referência da região para uso da indústria na exploração mineral adicional da região”, concluiu a empresa.

Veja também