30/11/2016
VALE

Investimentos serão menores nos próximos anos

A partir de 2017 a Vale vai reduzir gradativamente os valores do seu programa de investimentos, conforme revelou o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores, Luciano Siani, durante o Vale Day New York, realizado no dia 29 de novembro. Segundo ele, os investimentos cairão de US$ 5,6 bilhões em 2016 para US$ 4,5 bilhões no próximo ano. A redução acontecerá principalmente no item capital, que passará de US$ 3,2 bilhões para US$ 1,8 bilhão. Os investimentos em manutenção aumentarão de US$ 2,4 bilhões para US$ 2,5 bilhões, valor que será mantido até 2019, enquanto os investimentos em reposição vão aumentar de US$ 0,9 bilhão em 2017 para US$ 1,2 bilhão em 2019.

O executivo revelou, também, que a empresa deve retomar o programa de distribuição de dividendos a partir de 2017, começando com um valor entre US$ 4,5 e US$ 5,0 bilhões no próximo ano e evoluindo gradativamente até chegar a um nível entre US$ 9,0 e US$ 9,5 bilhões em 2021, considerando que o preço do minério de ferro se mantenha no nível de 60 dólares por tonelada ao longo desse período. 

Em termos de endividamento da companhia, Siani afirmou que trabalha com vários cenários de preço de minério de ferro para determinar o montante de desinvestimentos a serem feitos a fim de manter a dívida líquida na faixa de US$ 15 bilhões a US$ 17 bilhões. Se o preço ficar em 55 dólares por tonelada em 2017, a Vale terá que desinvestir cerca de US$ 2 bilhões; se baixar a 50 dólares por tonelada, os valores a serem desinvestidos estarão entre US$ 2 bilhões e US$ 4 bilhões; e se descer para 45 dólares/tonelada, o desinvestimento deverá se situar entre US$ 4 bilhões e US$ 6 bilhões.