22/11/2017
GESTÃO PÚBLICA

Febrageo critica nomeações sem critérios

A Federação Brasileira de Geólogos (Febrageo) soltou nota de repúdio às nomeações políticas realizadas sem nenhum critério técnico para cargos de relevância importância na gestão dos recursos naturais e minerais brasileiros, em especial na CPRM e no DNPM.

Segundo a nota da Febrageo, as nomeações mostram o total desprezo de certos setores políticos pela sociedade e para o planejamento técnico de longo prazo. A Febrageo menciona que a indicação de pessoas sem nenhum caráter técnico para cargos vitais para o setor traz prejuízo grave para as instituições, que ficam à mercê de pessoas sem qualificação para tais funções.

A entidade considera ainda que a nomeação de pessoas externas ao quadro de empregados tem os seus custos. A Febrageo afirma que um empregado do quadro efetivo, quando exerce uma função de confiança, recebe geralmente a gratificação, que corresponde a 30% do salário função. Pessoas externas, além de receberem o salário função integrais, ainda têm direito a todos os benefícios da empresa (assistência médica, alimentação, seguro) acarretando despesas extras para a empresa.

Em uma empresa como a CPRM, que conta com 636 empregados de nível superior, a grande maioria com cursos de pós graduação e especialização, causa estranheza encontrar cargos preenchidos através de indicações políticas por pessoas de escolaridade restrita ou formação profissional totalmente alheia à função que passam a exercer. A Febrageo esclarece que existe reconhecimento ao trabalho de um ou outro destes indicados, e que há opinião corrente entre os funcionários da CPRM acerca da eventual conveniência de quadros técnicos externos atuarem na empresa. A federação explica que o problema é a grande movimentação de cargos observada nos últimos meses, que indica que a corrida por recompensas a favores políticos de caráter fisiológico está fora de controle nos órgãos do Ministério de Minas e Energia, gerando absurdos como o da Superintendência da CPRM-Manaus, a cargo de um ex-prefeito condenado a ressarcir os cofres do município que governou em oito milhões de reais. A Febrageo cita que não é o único condenado (em julgado) dentre os recentes cargos de confiança nomeados por indicação política na empresa.

A Febrageo apoia as manifestações realizadas por funcionários de carreira da CPRM e incentiva a todos os profissionais e pessoas que querem o bem do Brasil, e se posicionarem contra esse absurdo predatório. A federação apoia que mais manifestações e denúncias ao Ministério Público sejam feitas para que o Brasil não seja um país de negociata de cargos esteja acima da competência e experiência profissional.