20/07/2017
VANÁDIO

Credores dispensam capitalização adicional da Largo

Os bancos comerciais brasileiros credores da Largo Resources concordaram em dispensar mais US$ 5 milhões em capitalização adicional da companhia e postergar uma injeção de capital, também no valor de US$ 5 milhões para o fim do ano. 
 
Consequentemente, o perdão (waiver, em inglês) devido à falta dessa capitalização foi ampliado de junho de 2017 para 31 de dezembro de 2017. Os requisitos de capitalização de março de 2017 e junho de 2017 foram inicialmente exigidos pelos credores em conexão com as instalações de 2017 em janeiro. Segundo comunicado da Largo Resources, de janeiro de 2017, “os credores concordaram que, se a companhia cumprir com a obrigação de pagamento em 31 de dezembro de 2017, o requisito de capitalização de junho de 2017 também será encerrado". O acordo diz que a mineradora Vanádio de Maracás (VMSA), subsidiária operacional da Largo, pagará, com o fluxo de caixa das operações, um total de aproximadamente 13 milhões de dólares canadenses devido aos credores ao longo de 2017.
 
Os aportes dos credores no âmbito da linha de crédito de 2017 serão reduzidos se o preço do pentóxido de vanádio exceder certos intervalos durante um período de 12 semanas. Dados do Metal Bulletin mostram que o pentóxido de vanádio era negociado a US$ 5,35 a libra-peso na Europa em 30 de junho, enquanto que o ferrovanádio do Brasil, vendido na modalidade CIF, com custo seguro e frete, registrou uma venda no mesmo dia por US$ 6,10 a libra. "Como resultado do nosso sucesso contínuo com as operações, nossos parceiros agora concordam que, enquanto cumprirmos as obrigações de pagamento, as injeções adicionais de dinheiro na VMSA não são mais necessárias. Além disso, a VMSA já começou a pagar algumas das obrigações devidas aos credores", disse Mark Smith, presidente e CEO da Largo, em nota.