15/03/2017
PDAC 2017

CBPM apresenta dois projetos minero-industriais

A Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia (SDE), apresentou dois projetos minero-industriais considerados promissores durante a 85ª convenção da Prospectors & Developers Association of Canada (PDAC). 
 
O Depósito de Ouro Jurema Leste, em Iramaia/Maracás, centro-sul da Bahia, e o Corpo Ultramáfico de Caboclo dos Mangueiros, com mineralizações de níquel, cobre e cobalto, em Pilão Arcado/Campo Alegre de Lourdes, no norte baiano, são projetos para investimento em pesquisa complementar. 
 
Em Jurema Leste a mineralização do ouro está associada à sequência vulcanossedimentar Contendas-Mirante. A pesquisa do projeto foi iniciada através de estudos aerogeofísicos que apontaram as anomalias, das quais sete áreas foram selecionadas. Com os alvos definidos, houve início de exploração minuciosa por meio da geofísica terrestre, geoquímica de solo, mapeamento geológico e escavação de poços e trincheiras.
 
Os resultados confirmaram ocorrência de ouro e um outro estudo selecionou cinco sub-alvos definidos como prioritários, investigados inclusive com sondagem rotativa, totalizando 3.230 metros perfurados. A mineralização primária de Jurema Leste é composta por depósitos mesotermais de ouro filonianos, que justificam um programa mais detalhado de exploração. Dada a excelência na infraestrutura do distrito aurífero e dependendo dos resultados da exploração mais aprofundada, o projeto poderá evoluir rapidamente para um estudo de viabilidade e fase de produção de minérios secundário e primário.
 
Já o corpo ultramáfico de Caboclo dos Mangueiros foi identificado nos levantamentos aerogeofísicos realizados entre 2005 e 2006. Com base na geologia de detalhe e dos dados geofísicos e geoquímicos, foi executado um programa de sondagem com 15 perfurações, totalizando 2,7 mil metros, que definiu zonas sulfetadas com espessuras superiores a 100 metros. O modelamento geométrico com os furos de sondagem caracterizou o primeiro segmento do corpo mineral com dimensões aproximadas de 1.700m x 400m x 200m, contendo zonas altamente sulfetadas com espessura superior a 70 metros.
 
Foram identificadas duas fases distintas de mineralização, sendo que a primeira indicou concentração de níquel, cobre e cobalto, associada ao corpo máfico/ultramáfico, enquanto que a outra constatou mineralizações de cobre, zinco, ouro, níquel, platina e paládio, associadas a eventos hidrotermais. Os resultados analíticos das amostras dos furos de sondagem apresentam um intervalo contínuo superior a 208 metros, contendo 0,21% de níquel, 0,13% de cobre, 180ppm de cobalto, além de ouro, platina e paládio. Os dados atuais admitem uma expectativa de recursos potenciais superiores a 200 milhões de toneladas de minério de níquel e cobre e elementos associados.