05/03/2017
PDAC 2017

Brasil quer voltar a atrair investidores

“Promover o País no exterior e incentivar o setor mineral para que a indústria possa recuperar o tempo perdido, trazendo de volta os investimentos, tanto nacionais quanto estrangeiros”. Este é o principal objetivo da participação brasileira na convenção PDAC 2017, segundo o ministro Fernando Coelho Filho, que lidera a missão brasileira no evento, que se se iniciou no dia 5 de março, na cidade de Toronto e que vai até o próximo dia 8.

A mensagem do ministro foi deixada aos participantes do Brazilian Breakfast, realizado na manhã do dia 5 e que reuniu algumas dezenas de representantes de empresas e dirigentes ligados ao setor público nos níveis federal e estadual. Ele prometeu aos empresários agilidade nas decisões, sem que isto signifique descumprimento da legislação.

Mensagem de igual teor foi transmitida pelo ministro em jantar com empresários e investidores na noite anterior. Representantes de várias empresas e fundos de investimento se reuniram com o ministro e demonstraram interesse em investir no Brasil.

Durante o café da manhã, o diretor-executivo da ADIMB, Onildo Marini, disse que via com otimismo a participação brasileira na convenção deste ano, principalmente por contar com a presença de um ministro de Minas, o que não acontecia desde 2003. Marini elogiou a política que está sendo colocada em prática pelo Ministério no sentido de resolver os gargalos que hoje impedem o desenvolvimento da exploração mineral no País. Para ele, o otimismo está voltando ao setor e uma prova é que a delegação brasileira no PDAC deste ano conta com o dobro de participantes de 2016.

O presidente da ABPM, Luis Azevedo, que afirmou estar completando 20 anos de participação na convenção, também elogiou a política do governo para o setor. Ele disse que ao longo dos anos houve uma redução expressiva no número de empresas listadas na bolsa do Canadá com atividades no Brasil: de um total de 59 empresas, em 2008, chegou-se a apenas 29 em 2016, enquanto aumentou a presença dessas empresas em outros países da América Latina. Azevedo disse que se o Brasil for bem sucedido em restabelecer a confiança dos investidores, o número de empresas com presença no Brasil voltará a aumentar.

Na ocasião do café da manhã, foram feitas diversas homenagens: ao ministro Fernando Coelho Filho, ao Secretário da SGM, Vicente Lobo, ao Diretor do DNPM, Victor Hugo Bicca, ao presidente da CPRM, Eduardo Ledsham, e ao diretor-executivo da ADIMB, Onildo Marini.

Após o café da manhã, o ministro inaugurou o estande do Brasil no PDAC, que conta com a participação de diversas empresas e órgãos ligados ao setor, com a presença de mais de uma centena de dirigentes e empresários.

Veja também