07/03/2017
MARK CUTIFANI

“Simplesmente aumentar a escala não resolve”

A produtividade e a licença social são hoje os principais desafios para a indústria mineral mundial. Foi o que expressou Mark Cutifani, CEO global da Anglo American, em apresentação no PDAC 2017.

Segundo ele, a produtividade da mineração caiu cerca de 30% na última década, o que é grave, embora ressalvando que a empresa que dirige atuou na contramão dessa tendência, já que conseguiu aumentar sua produtividade em 41%, entregando 8% a mais de produtos com um terço a menos de ativos. Enquanto isso, os custos de produção de cobre caíram 31%.

Para Cutifani, do ponto de vista produtivo simplesmente aumentar a escala não mais resolve. A indústria precisa inovar, mesmo porque está abaixo da curva em termos de inovação tecnológica. “É necessário um novo patamar tecnológico”, salientou.

Segundo ele, a indústria precisa investir no desenvolvimento de processos de separação a seco, combinando métodos inovadores de cominuição e separação a seco com processamento sem água. Também deve investir na disposição a seco de rejeitos, a fim de reduzir a perda de água, já que a mesma água pode ser consumida seguidamente.  

Da mesma forma, itens como análise avançada, robótica e automação crescente transformarão a indústria.

O dirigente da Anglo American alertou que, apesar da alta de preços de algumas commodities como minério de ferro, os preços para as grandes mineradoras ficaram apenas marginalmente acima dos custos.

Ele também disse que ainda é cedo para apostar que a política econômica chinesa e a mudança de rumo na política americana contribuirão para a retomada do setor. E previu mais volatilidade de preços enquanto as superpotências ajustam suas políticas monetária, fiscal e de comércio.

Finalizando, Cutifani disse que a licença social hoje é um imperativo para a indústria de mineração global.

Veja também